«O editor Francisco José Viegas anunciou que era um dia especial para a editora Quetzal e que fora no mesmo local, a Cinemateca em Lisboa, que apresentara um autor importante, que já colocou em casa dos portugueses 32 457 exemplares do primeiro volume da Bíblia traduzida do grego por Frederico Lourenço. Desta vez o anúncio era o projeto Nova Gramática do Latim, e para surpresa geral, do mesmo autor, um género de livro que há quase 50 anos não era editado em Portugal.

Para Lourenço a intenção “era remediar a ausência de algo bom para estudar o latim” como sempre lhe disseram os seus professores. Considera que há uma boa edição do século XX, mas que exige ao leitor outra preparação anterior. Também sublinhou que sente a existência de um renascimento no interesse por essa língua.»